Espectro eletromagnético incluindo radiações infravermelhas

Em 1800, Sir William Herschel (1738-1822) descreveu que a luz do Sol ao passar por filtros de luz de cores diferentes permitiam que diferentes níveis de “calor” passassem. Ele montou um experimento simples para estudar a “potência de aquecimento dos raios coloridos”: ele separou os raios coloridos solares com um prisma de vidro e mediu a temperatura de cada cor. Ele observou um aumento na temperatura conforme ele movia um termômetro da parte violeta até a vermelha do “arco-íris”. Por curiosidade Herschel também mediu as temperaturas na região logo após a cor vermelha, onde não há luz visível, e para sua surpresa, ele encontrou as temperaturas mais altas nesta região. Ele deduziu a presença de “raios caloríficos” invisíveis. A partir daí, muitos pesquisadores desenvolveram experimentos buscando semelhanças entre esta energia invisível e a luz visível. Elas foram finalmente reveladas quando, em 1847, Armand Hipolyte, Luis Pizeau e Jean B. Foucault da França mostraram que a radiação infravermelha produzia padrões de interferência semelhantes aqueles da luz visível.

Aplicação dos raios  IV

As lâmpadas com filamento de Tungstênio produzem calor radiante ao invés de luz visível. O filamento, que está celado em uma câmara cheia de gás ou tubo de quartzo é aquecido por uma corrente elétrica e operado em uma temperatura de 4000 graus F. para produzir raios infravermelhos. Vejamos outros usos do infravermelho:

IV Medicina: Médicos usam lâmpadas de infravermelho para tratar doenças de pele e aliviar dores musculares. Nestes tratamentos, os raios infravermelhos passam através da pele do paciente e produzem calor.

IV Ciência: Avanços científicos relacionados ao infravermelho têm permitido que as construções permaneçam frias mesmo no verão. Filmes de ouro transparentes nas janelas de grandes prédios de escritórios refletem o infravermelho e ajudam a manter a temperatura baixa.

IV Doméstico: Fotógrafos usam filmes que são sensíveis aos raios infravermelhos para tirar fotos em locais onde não há luz visível. Alarmes contra roubos e controles remotos também usam infravermelho.

IV Indústria: Ondas infravermelhas são usadas extensivamente em fornos projetados especialmente para secar superfícies, couros, metais, papéis e tecidos pintados e esmaltados.

Vendo em IV: Infra significa abaixo. Os raios infravermelhos possuem uma frequência inferior às frequências das ondas de luz vermelhas. Aparelhos de infravermelho foram usados durante a II Guerra Mundial, permitindo que os soldados “vissem” seus alvos mesmo em total escuridão. Balômetros são usados para detectar infravermelho. Balômetros medem pequenas quantidades de calor produzidas por tipos de energia radiante, especialmente raios infravermelhos. Ondas infravermelhas podem ser expostas em ar comprimido.

Saúde & IV

Perigos:
Embora o infravermelho seja importante, ele possui também alguns perigos associados ao mesmo. Os finíssimos filmes de ouro em naves espaciais refletem raios infravermelhos do sol que podem causar danos tanto a pessoas quanto ao equipamento da nave.

Cuidados Especiais:
Para nos proteger e ao ambiente destes perigos, cuidados devem ser tomados tais como o uso de óculos de sol e protetores solares para bloquearem os raios infravermelhos de nossos corpos.

Curiosidades IV

Os corpos celestes que emitem raios infravermelhos são o sol e as estrelas que estão nascendo e as estrelas que estão morrendo. Estes corpos celestes emitem raios infravermelhos devido a sua altas temperaturas e grande calor. Metade dos raios solares são ondas infravermelhas. A radiação infravermelha pode ser usada para obter imagens de objetos distantes que não estejam claros devido às condições atmosféricas. A detecção de radiação infravermelha é usada por astrônomos para observar estrelas que são invisíveis em luz comum ou emitem radiação.

Comprimento IV

Ondas eletromagnéticas com comprimentos de onda variando entre:

– menores: 7,5 x 10 – 7 metros (dimensões de células, microscópicas)

– maiores: 1 x 10 – 4 metros (dimensões da cabeça de um alfinete)

 

 

Fonte: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=123&sid=9

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *